ENEM

·       Proposta de redação 01 – Como solucionar os impasses da Sustentabilidade?

            A Sustentabilidade não é apenas um conceito que começou a ser discutido na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente (Estocolmo, junho 1972), a primeira grande reunião promovida pela ONU para que fossem discutidas atividades humanas e depredação do meio ambiente. Naquela ocasião, a degradação ambiental e a poluição foram debatidas e propostas sobre ações internacionais conjuntas foram feitas; daí surgiu um Plano de Ação, sobretudo para recuperar ambientes degradados e poluídos em países pobres. Além disso, o Plano de Ação de Estocolmo, em seu item 6º, prevê “defender e melhorar o ambiente humano para as atuais e futuras gerações”.De lá para cá, muita coisa mudou (para melhor ou pior), mas a ideia de que a sustentabilidade deve ser discutida em qualquer área (social, econômica, ecológica, cultural, empresarial, espacial, política ambiental) ficou como um alerta vermelho de que o planeta e as atividades humanas estão em risco máximo caso não se considerem e respeitem as necessidades humanas futuras. Para que um empreendimento humano seja considerado sustentável, é preciso que seja:

• ecologicamente correto

• economicamente viável

• socialmente justo

• culturalmente aceito

 

·    Proposta de redação 02 – Qual o limite entre a liberdade e a vigilância na sociedade contemporânea?

     Em junho de 1949, o escritor britânico George Orwell, nascido na Índia, publicou o livro 1984, um romance distópico que nos remete a uma época pós-terceira guerra mundial, em que o mundo está destruído e as pessoas perderam a liberdade de viver, a individualidade e suas escolhas; o Estado totalitário, representado em Londres pelo “Big Brother”, vigia incessantemente e, em cada lugar, há uma câmera desvendando a intimidade das criaturas, além de uma tela fazendo lavagem cerebral e colocando em evidência os feitos do Grande Irmão que tudo vigia, tudo sabe e tudo vê.

     Em nosso século, o Big Brother se repete; não aquele programa de tevê inspirado no livro de Orwell, mas a vigilância das câmeras de segurança. Por um lado, elas representam invasão de privacidade; por outro, vigiam contra a violência, a transgressão e o crime. Bancos, ruas, logradouros, elevadores, corredores, salas de aula, casas inteiras: há um frenesi por câmeras. Qual é o preço que se paga por isso?

 

·       Proposta de redação 03 – Qual a importância do otimismo no mundo contemporâneo?

      Nietzsche: “Para Dioniso, o sofrimento, a morte e o declínio são apenas a outra face da alegria, da ressurreição e da volta. Por isso, ‘os homens não têm de fugir à vida como os pessimistas, mas, como alegres convivas de um banquete que desejam suas taças novamente cheias, dirão à vida: uma vez mais’”.

     “Certo tipo de atitude esperançosa, tão incentivada pela cultura atual pode levar a enormes erros de cálculo e fazer com que as pessoas não façam exames de saúde, não apliquem protetor solar ou não abram uma poupança. Achamos que não vamos ter câncer, nos divorciar ou perder o emprego. E pensamos que vamos viver até 20 anos a mais do que a expectativa de vida.”

     “O mundo é horrível e a realidade é cruel. É um ingênuo quem quiser mudar essa situação. O horror e a crueldade fazem parte da paisagem. Melhor assim, quem sabe: nós, pelo menos, tiramos disso a satisfação de não sermos ingênuos.”

      “Nenhum pessimista jamais descobriu o segredo das estrelas, ou navegou até uma terra desconhecida, ou abriu uma nova porta para o espírito humano.”

 

·       Proposta de redação 04 – Como garantir a felicidade?

            Você já ouviu o lugar-comum mais comum: “O dinheiro não traz felicidade, manda buscar.” Um horror!

Muitos de nós já lemos Fernando Pessoa, sob o pseudônimo de Alberto Caeiro, em “O guardador de rebanhos”:

            Por isso quando num dia de calor

            Me sinto triste de gozá-lo tanto.

            E me deito ao comprido na erva,

            E fecho os olhos quentes,

            Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,

            Sei a verdade e sou feliz.

        Para alguns, felicidade é dinheiro; para outros, apenas uma sensação, um momento, a realização de algo pequeno, pessoal, intransferível. Para muitos, um prato de comida, uma casa de 50 m quadrados, um carro de segunda mão. Para tantos, um emprego.            Para alguém, uma viagem sonhada, esperada, adiada e, finalmente, realizada. Todos guardamos sonhos de felicidade e muito se discute se ela é pessoal ou existe apenas quando o grupo de que fazemos parte também a alcança. Fechar os olhos, ouvir música, qualquer que seja, dar um abraço, rolar com o cachorro no tapete; é a chuva lá fora e nós, munidos e em segurança, aqui dentro.

O poeta brasileiro Vicente de Carvalho escreveu um soneto que termina assim:

                        Essa felicidade que supomos,

                        Árvore milagrosa, que sonhamos

                        Toda arreada de dourados pomos,

                        Existe, sim: mas nós não a alcançamos

                        Porque está sempre apenas onde a pomos

                        E nunca a pomos onde nós estamos.

           Proposta: O que é para você a felicidade? Redija uma redação sobre o seguinte tema: Felicidade é algo que independe do que está à nossa volta. Desfrutar da e saborear a vida é o nosso maior compromisso. As coisas ruins também fazem parte da vida e quem aceita isso enfrenta melhor o sofrimento, sem perder os momentos de alegria.

 

·       Proposta de redação 05 – Em que consiste o sucesso na sociedade contemporânea?

            Se alguém tivesse uma receita para o sucesso, na certa não serviria para outra pessoa; sabe-se apenas que, para que ele aconteça, é preciso ter, em primeiríssimo lugar, paixão pelo que se faz. Os componentes parecem ser os mesmos em todos os livros: paixão, foco, compromisso, coerência, metas, responsabilidade com o outro, compromisso com o futuro, planejamento e saber lidar com as perdas que, certamente, virão. Alguns sociólogos acrescentam que o sucesso não é para sempre, é cíclico, por isso passa pelas mãos (e os bolsos) de muitas pessoas; há ditados populares a ele ligados: “O sucesso subiu à cabeça de fulano (a)” é um deles. Para uns, é alcançado depois de uma invenção, uma descoberta, uma grande sacada sobre a qual ninguém havia pensado antes; para outros, fundar algo diferente, ser a primeira pessoa a realizar algo. Sucesso pessoal demanda sempre um trabalho de grupo que precisa ser reconhecido por um líder para perdurar; sucesso em um empreendimento prevê fases e atualização; sucesso na tevê, sucesso na empresa, sucesso até de uma receita, de um ponto de tricô ou crochê da vovó, sucesso é palavra muito difícil de definir: um gosto, um detalhe, uma canção, um tema.

            Até onde, até quando e por que o sucesso acontece e se mantém? Existem atores, cantores, políticos e congêneres que, muitas vezes, duram apenas uma única estação e se vão para nunca mais voltar. Cientistas, jogadores de futebol, misses, participantes de realities shows, empresários, primeiros lugares dos vestibulares, diretores de cinema, atrizes, escritores, cantores e cantoras, apresentadores, quem dispensa o sucesso? Muitas vezes, ele vai embora; como conviver com isso?

 

·       Proposta de redação 06 – Como reduzir os riscos da Energia nuclear?

     O grave acidente nuclear no Japão tirou da defensiva os críticos da energia nuclear e deu motivos para que o debate sobre a viabilidade de tal energia voltasse à tona. Assim, ressurgem questionamentos sobre a energia nuclear poder ser usada de forma segura, além da discussão sobre a busca por fontes de energia alternativas ao petróleo e ao carvão, necessidade imposta, sobretudo, pelo aquecimento global.

 

·       Proposta de redação 07 – Como equacionar lixo tecnológico e sustentabilidade?

            O Decreto Federal do dia 23.12.2010 “regulamenta a Lei n° 12.305, de 2 de agosto de 2010, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos, cria o Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos e o Comitê Orientador para a Implantação dos Sistemas de Logística Reversa, e dá outras providências”. Porém, será que a lei e o decreto são conhecidos por todos, inclusive os brasileiros alfabetizados, bem-informados sobre ética e cidadania? Os consumidores sabem como se livrar do lixo tecnológico do planeta? Qual seria a preocupação dos diretores do documentário Lixo extraordinário (Waste Land, 2010, Brasil/Reino Unido, Lucy Walter, João Jardim, Karen Harley) que tem como ambiência o lixão de Duque de Caxias (RJ) e a vida dos catadores de lixo que ali circulam diariamente? O artista plástico Vik Muniz é o responsável pelo tema, e o documentário ganhou prêmios europeus e foi indicado ao Oscar 2011.

 

·       Proposta de redação 08 – Quais as causas da supervalorização da Beleza?

     Reflita sobre as causas da supervalorização da beleza física (influência da mídia, imposição de um padrão inatingível, vaidade, desejo de ser admirado, invejado, amado...), bem como as consequências desse comportamento (frustração, angústia, depressão, baixa autoestima, anorexia, bulimia, isolamento etc.). Com base na própria experiência, sugira formas de se lidar de modo equilibrado com as exigências de uma aparência “perfeita”. Suponha que, para frear essa tendência, tenham sido sugeridas as ações a seguir:

     1. Proibir a propaganda indiscriminada – enganosa – de produtos e tratamentos estéticos;

     2. Controlar e fiscalizar o comércio de anabolizantes, anfetaminas e anorexígenos;

     3. Fixar uma idade mínima para aqueles que desejam submeter-se a cirurgias estéticas;

     4. Divulgar um maior número de informações sobre os prejuízos físicos, psíquicos e morais decorrentes de intervenções malsucedidas.

     Proposta: Escolha uma ou duas dessas ações e, a seguir, redija um texto dissertativo, ressaltando as possibilidades e as limitações das ações escolhidas.

 

·       Proposta de redação 09 – Quais as causas do abandono de menores?

     O livro Capitães da areia (1937), do romancista baiano Jorge Amado, apesar de escrito na década de 1930, anuncia uma realidade que se pode observar na vida e nas páginas dos jornais. Recentemente, menores infratores aprisionados para serem encaminhados ao Conselho Tutelar, na cidade de São Paulo, promoveram um show de violência e destruição a que os espectadores dos jornais da tevê assistiram com muita apreensão e medo. Quando os valores não residem na educação, na cultura, na saúde e no respeito pelo ser humano, a colheita não será, certamente, a melhor.

 

·       Proposta de redação 10 – Quais os impasses da discussão do Código Florestal?

     Depoimento: Meu nome é José Cláudio Ribeiro da Silva, eu moro num PAI(*) no município de Nova Ipixuma (**) e o meu trabalho é em prol da floresta; eu defendo a floresta em pé e os seus habitantes em pé. Mas devido esse meu trabalho, eu sou ameaçado de morte pelos empresários da madeira, por uns camaradas que não querem ver a floresta em pé e isso tem me causado problemas porque, quando se fala da vida, a gente quer permanecer vivo, igual eu luto pela floresta viva que é um bem que fica pra você e fica para as futuras gerações que estão vindo por aí. (*) Assentamento extrativista. (**) Sudeste do Pará, local abundante em árvores nobres da Amazônia.

     Depois de anunciar muitas vezes a própria morte na luta em favor da floresta, José Cláudio foi morto a tiros em uma emboscada, na manhã de 24 de maio, aos 54 anos; a mulher, Maria do Espírito Santo Silva, que militava sempre ao seu lado, morreu também. Eles têm muitos nomes: Chico Mendes (morto em dezembro de 1988), Dorothy Stang (a missionária americana morta em dezembro de 2005), Dionísio Ribeiro (ambientalista morto em 2005, perto da Reserva Biológica do Tinguá, no RJ). Tinham o desejo de proteger as florestas, os animais, os rios, o ar, a Terra e foram mortos por quem desejava o contrário, a não preservação do planeta.

No mesmo dia da morte de José Cláudio e Maria, o Congresso brasileiro aprovou as modificações na legislação brasileira que define a ocupação do solo e a preservação das matas.

 

·       Proposta de redação 11 – Como estimular o benefício do investimento no esporte?

     Uma frase está estampada em toda parte nas instalações olímpicas de Londres 2012: “Inspire a generation”. [...] o slogan reflete uma das justificativas que o comitê organizador (LOCOG) utilizou para investir bilhões de libras no evento. Além de recuperar a região leste de Londres, os Jogos Olímpicos serviriam para inspirar os britânicos a praticarem mais esportes. As imagens de atletas conquistando medalhas levariam as crianças a querer imitá-los.

            Texto 02 – “Produtores de mídia mostram como o esporte combate a violência”

            “No meu continente se para a violência com esporte. Interrompemos a guerra com esporte. É como uma religião que nos unifica”. Faith Isiakpere, da Moments Entertainment (África do Sul), também argumenta que o futebol deu a muitos jovens e crianças africanos a possibilidade de igualdade: “No campo, todos são iguais”.

            Texto 03 – “Jogos cooperativos, esportes e fair play”

            “O universo do esporte compreende espetáculo, profissão, ciência, arte, política, lazer (ativo e passivo), prática, técnica, educação e investigação”.

            Texto 04 – Olimpíadas “humilham” países mais pobres, afirma Oscar Mwaanga, analista.

     “A ideia de que todos têm condições iguais para competir diz respeito a um ideal, não a uma realidade”, afirma Mwaanga. Para ele, os atletas de países mais pobres ficam divididos entre as grandes expectativas de seus conterrâneos e suas limitações em função da falta de recursos para treinamento e preparação. “É nesse estágio que percebem a humilhação.”

 

·       Proposta de redação 12 – Como garantir o direito ao anonimato na internet?

     “Não acredito que a sociedade compreenda o que ocorre quando tudo se torna disponível, conhecível e registrável por todo mundo o tempo todo”, disse Eric Schmidt, ex-diretor executivo do Google. Embora a internet ofereça muitas maneiras de ocultar a identidade, ela também torna mais fácil a tarefa de rastrear as pessoas.

            A internet tem boa memória e não se esquece de nada. Tudo que é colocado online acaba ficando disponível em algum lugar e por um bom tempo (para não dizer “para sempre”). Isso obviamente causa problemas e constrangimentos. Imagine um adolescente que aproveitou ao máximo sua vida digital e compartilhou fotos detalhadas de cada agito da semana. Dez anos depois, na hora de procurar um emprego, uma busca por seu nome acaba trazendo informações que podem ser nada abonadoras.

            Há quem defenda ardorosamente o chamado “direito de ser esquecido”. O assunto é especialmente curioso porque coloca em contraste dois valores diferentes e importantes. De um lado, a proteção à pessoa e à sua personalidade, que inclui temas como honra e dignidade. Do outro, o direito da sociedade à preservação da sua própria história, que para acontecer precisa resguardar o passado, mesmo que individual.

 

·       Proposta de redação 13 - Qual será o futuro da leitura na era multimídia?

            Imagine que, ao invés de ir até a estante mais próxima para ler um livro, você só tivesse que ligar seu computador. Aliás, a própria internet é uma enorme biblioteca multimídia universal, reunindo ideias, textos, fotos, sons e vídeos de todos os povos. As bibliotecas surgem em meio a este mundo digital como grandes catálogos e provedores da informação. A bandeira que hasteiam é a da democratização do conhecimento sustentada pelo objetivo de divulgar ainda mais a cultura de seu país.

            “Esta expressão ‘Leitura’, há cem anos, sugeria logo a imagem de uma livraria silenciosa, com bustos de Platão e de Sêneca, uma ampla poltrona almofadada, uma janela aberta sobre os aromas de um jardim: e neste retiro austero de paz estudiosa, um homem fino, erudito, saboreando linha a linha o seu livro, num recolhimento quase amoroso.”

            O homem primitivo, mesmo não sabendo grafar ou decifrar letras ou palavras, pode ser considerado como leitor. Mas o conceito de leitura é muito amplo e complexo, pois a questão envolve uma infinidade de possibilidades de respostas. A história da leitura possibilita uma visão da evolução sofrida também pelo leitor que é protagonista das revoluções causadas pela leitura e pela tensão que atravessa o mundo contemporâneo.

     Toda história da leitura supõe, em seu princípio, a liberdade do leitor que desloca e subverte aquilo que o livro lhe pretende impor. A obra não é jamais a mesma quando escrita em formas distintas, ela tem um outro significado. E nesse momento histórico em que estamos vivenciando essas transformações, temos a nítida impressão de estarmos diante de um conflito do qual emergem basicamente um olhar em relação à revolução do texto eletrônico e ao futuro da leitura na atual cultura midiática: o olhar dos apocalípticos, denominado por Chartier de futuristas, os quais profetizam a extinção do livro, consequentemente, das práticas leitoras do texto impresso.

 

  •     Proposta de redação 14 – Como reduzir o impacto dos sacos plásticos no meio ambiente?

     No filme Beleza americana (1999, EUA, 122, direção de Sam Mendes; Oscar de melhor filme em 2001, vencedor do BAFTA e do Globo de Ouro), aparece uma cena em que um casal de adolescentes assiste a um filme feito pelo rapaz. O que ele filmou? Um saco plástico dançando no vento, símbolo claro da sociedade americana consumista.

     O grande boom das sacolas/sacos plásticos começou no início da década de 1970; pela facilidade de transporte de pequeno volume de mercadorias, condicionamento e posterior reutilização em quaisquer ambientes, sobretudo o doméstico; por isso, tornou-se uma espécie de vício da sociedade contemporânea. Há muitas pessoas que, em virtude desse “vício”, jamais viram de perto um saco de papel pardo, biodegradável, desses que só parecem em filmes americanos atuais, cheios de verduras, bananas e congelados, outra peste que a humanidade há de descobrir como inimigo nº 1 devido ao altíssimo teor de sódio ali contido. Na atualidade, os sacos plásticos estão por todo o mundo: 800 bilhões circulando anualmente entre nós.

     Por serem feitos de material não degradável, contaminam o ambiente, devastam a natureza, matam os animais marinhos e terrestres que os engolem; matam, a cada dia, a vida na Terra e a possibilidade de nos livrarmos da praga que representam, porque um saco plástico fabricado hoje, neste momento em que você lê, demorará, depois de descartado, jogado na natureza, abandonado ao deus-dará, cerca de 400 anos para desaparecer por completo.

 

·       Proposta de redação 15 – Quais os valores da juventude do novo milênio?

            Considerar a influência da família, da sociedade, do governo e dos meios de comunicação no processo de construção da identidade dos jovens. Cabe, ainda, ressaltar as características positivas da juventude, sem omitir as possíveis falhas. Assim, tanto do ponto de vista social, quanto político e cultural, trace um perfil de sua geração. Nos tempos mais antigos, de acordo com a Bíblia, considerava-se como uma nova geração aquela nascida 40 anos após a anterior. Por volta da década de 1950, esse conceito mudou, pois a população passou a ter uma vida mais acelerada. Nasceram os bombers, os roqueiros, os hippies.

            Até pouco tempo atrás, livros e filmes ainda falavam da geração X, aquela que substituiu os yuppies da década de 1980. Recentemente, o mercado publicitário saudou a maioridade da geração Y, formada pelos jovens nascidos do meio para o fim da década de 1970, que assistiram à revolução tecnológica. Esses adolescentes da metade da década de 1990 eram consumistas não de roupas, e sim de traquitanas eletrônicas. Agora, começa-se a falar na geração Z, que engloba os nascidos em meados da década de 1980.

Diferentemente de seus pais, sentem-se à vontade quando ligam ao mesmo tempo a televisão, o rádio, o telefone, música e internet. Enquanto os demais buscam adquirir informação, o desafio que se apresenta à geração Z é de outra natureza. Ela precisa aprender a selecionar e separar o joio do trigo. Em meio à abundância de informação à qual está exposta, é necessário saber utilizá-la da melhor forma possível. O conceito de geração Z mescla-se ao conceito de geração M.

            A tecnologia e a internet criaram um novo rótulo para os jovens dos dias de hoje, a geração M. Ela tem capacidade de fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Estamos falando de uma nova geração nascida e/ou criada junto com a internet. Jovens na faixa dos 20 anos ou menos, que desdobram seu browser em diversas abas ou janelas, conversam com várias pessoas on-line pelo MSN, ouvem música no mp3 player ou assistem à TV, tentam estudar ou trabalhar, tudo isso ao mesmo tempo, sem contar o celular que fica por perto à espera de qualquer ligação. Multiplicam suas atenções para acompanhar, ou tentar acompanhar, a intensa velocidade do mundo moderno. Geração Internet, iGeração, NetGen (Net Generation), Geração D (Digital), Geração Agora. Os nomes são diversos e, talvez, por essa mesma diversidade, a melhor definição acaba sendo Geração M: multiatarefados, multiconectados, multiestimulados, multi-informados.

            A primeira geração de adolescentes do século XXI está amadurecendo num país muito diferente daquele das gerações anteriores. O Brasil está pronto, em vários sentidos, para o mundo moderno. Dispõe de um parque industrial evolvido, é integrado por um sistema de comunicações por satélite e as disparidades culturais regionais são bem menores que as existentes nas décadas de 1960 e 1970. É também um país em que a população urbana superou a rural com larga folga. Os jovens de hoje constituem um reflexo da vida em cidades grandes e metrópoles, rica em termos de produção cultural e oportunidades. Estão inteiramente à vontade no mundo tecnológico. São os brasileiros mais bem informados de todos os tempos, e sua maneira de pensar e agir foi influenciada desde o jardim de infância pelo mundo veloz e multifacetado da tecnologia.

 

·       Proposta de redação 16 – Como eliminar o Cyberbullying?

            O que é bullying? – Revista nova escola

            Bullying é uma situação que se caracteriza por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de maneira repetitiva, por um ou mais alunos contra um ou mais colegas. O termo bullying tem origem na palavra inglesa bully, que significa valentão, brigão. Mesmo sem uma denominação em português, é entendido como ameaça, tirania, opressão, intimidação, humilhação e maltrato.

            Além de um possível isolamento ou queda do rendimento escolar, crianças e adolescentes que passam por humilhações racistas, difamatórias ou separatistas podem apresentar doenças psicossomáticas e sofrer de algum tipo de trauma que influencie traços da personalidade. Em alguns casos extremos, o bullying chega a afetar o estado emocional do jovem de tal maneira que ele opte por soluções trágicas, como o suicídio.

            Mais de três quartos das pessoas questionadas na pesquisa global consideraram o cyberbullying diferente de outros tipos de perseguição e disseram que ele merece atenção especial e esforços de pais e de escolas.

            Aparelhos móveis e salas de bate-papo na Internet ficaram nos distantes segundo e terceiro lugares da pesquisa, sendo que cada um deles foi citado por 40 por cento das pessoas.

            Embora a pesquisa tenha mostrado que a conscientização sobre o cyberbullying é relativamente alta, com dois terços das pessoas afirmando que ouviram, leram ou viram informações sobre o fenômeno, a pesquisa mostrou que há muitas diferenças culturais e geográficas a respeito dele.

 

·       Proposta de redação 17 – Como garantir o empoderamento da mulher?

            Os Princípios de Empoderamento das Mulheres – Nações Unidas

            Até 2015, todos os 191 Estados-Membros das Nações Unidas assumiram o compromisso de atingir objetivos como a erradicação da extrema pobreza e da fome; alcance do ensino básico universal; promoção da igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres; redução da mortalidade na infância; e melhoramento da saúde materna, que podem ser atingidos a partir de políticas deliberadas e ações intencionais que assegurem a inclusão dos talentos, habilidades, experiências e energia das mulheres.

            O Fundo das Nações Unidas para o Desenvolvimento das Mulheres (UNIFEM) e o Pacto Global das Nações (UNGC) apresentam a iniciativa conjunta do empoderamento das mulheres para que participem plenamente da vida econômica em todos os setores e níveis da atividade econômica, o que é essencial para construir economias fortes; estabelecer sociedades mais estáveis e justas; atingir objetivos internacionalmente acordados para o desenvolvimento, a sustentabilidade e os direitos humanos; melhorar a qualidade de vida para as mulheres, homens, famílias e comunidades; e impulsionar as operações e metas dos negócios.

            Estudos continuam a demonstrar que a redução das barreiras sociais, econômicas e políticas enfrentadas pelas mulheres e meninas amplia a educação, reduz a mortalidade infantil e a vulnerabilidade ao HIV. A maior participação das mulheres na força de trabalho reduz a pobreza através de aumento de produtividade e ganhos.

 

·       Proposta de redação 18 – Como equacionar a gestão de resíduos sólidos?

     Vamos refletir sobre um dos mais graves problemas gerados pelo progresso: o lixo. Destaque a falta de consciência dos cidadãos brasileiros sobre a tendência ao consumo exacerbado e ao desperdício, além da ausência de políticas voltadas para a orientação quanto às formas de reciclagem do lixo. Também o papel das indústrias, que nem sempre descartam seus resíduos de forma adequada, poderá ser lembrado. Em suma, para discutir essa questão, os alunos precisam reconhecer que atos isolados têm pouca eficácia: é preciso que cidadãos, empresas e autoridades do governo ajam em conjunto.

     A natureza trabalha em ciclos — “nada se perde, tudo se transforma”. Todo tipo de material orgânico se decompõe com a ação de milhões de micro-organismos decompositores, como bactérias, fungos, vermes, disponibilizando assim os nutrientes que vão alimentar outras formas de vida.

     Até o início do século passado, o lixo gerado reintegrava-se aos ciclos naturais e servia como adubo para a agricultura. Porém, com a industrialização e a concentração da população nas grandes cidades, o lixo foi se tornando um problema.

     A sociedade moderna rompeu os ciclos da natureza: por um lado, extraímos mais e mais matérias-primas; por outro, fazemos crescer montanhas de lixo. Como todo esse rejeito não retorna ao ciclo natural, transformando-se em novas matérias-primas, pode tornar-se uma perigosa fonte de contaminação para o meio ambiente, além de provocar doenças. Recentemente, começamos a perceber que, assim como não podemos deixar o lixo acumular-se dentro de nossas casas, precisamos conter a geração de resíduos e dar um tratamento adequado ao lixo no nosso planeta.

     Vivemos numa sociedade de consumo. Tudo, desde os alimentos que ingerimos até as notícias a que assistimos, é desenhado no formato “use e jogue fora”. É de se esperar, portanto, que, sobretudo as grandes cidades tenham sérios problemas com relação ao destino que seu lixo deve tomar.

     Para resolvermos a questão do lixo, não podemos tomar sua produção como um fato consumado, mas sim como consequência de um hábito da nossa sociedade, que vem produzindo lixo freneticamente.

Proposta: Os textos acima destacam o papel da sociedade no que se refere à produção de lixo e no que diz respeito à sua destinação. Entre as ações sugeridas para resolver esses problemas, encontram-se as seguintes:

            1. Educar e sensibilizar a sociedade para o problema do lixo.

            2. Investir em tecnologias que permitam diminuir a geração de resíduos.

            3. Reduzir o consumo e consequentemente seus impactos negativos.

Escolha uma ou mais dessas ações e, a seguir, redija um texto dissertativo, ressaltando as possibilidades e as limitações das ações escolhidas.

 

 

CENTRO CULTURAL CONTEXTO

Rua Antônio de Godoy, 4858
Nova Redentora​
CEP: 15090-250
São José do Rio Preto - SP​

(17) 3229-3123